SARGS Sociedade de Anestesiologia do RS
 
Esqueceu a senha?
Conheça a SARGS
Associados
Ações da Diretoria
Histórico
Notícias
Centros de Ensino
Área Científica
Entrevista do Mês
Seja Sócio
Links Úteis
Oportunidades
Segunda via de boletos


 

Outubro

Desafios da anestesiologia

 

Confira a entrevista com o anestesiologista Dr. Airton Bagatini. Ele foi presidente da SARGS (2006 e 2007) e da SBA (2013) e atualmente diretor de pesquisa da Fundao para Segurana do Paciente; coordenador da Perspectiva Assistencial; gestor do Centro Cirrgico do Hospital Ernesto Dornelles e corresponsvel pelo Centro de Ensino e Treinamento da Sociedade de Anestesiologia de Porto Alegre (SANE).

Qual a importncia da JARGS para o segmento da anestesiologia e para os profissionais da rea?
Toda a jornada cientfica carrega a oportunidade de ensinar novos conhecimentos. A importncia da JARGS pelo pblico local, estamos falando das nossas condies com a nossa cultura e do tipo de paciente que anestesiamos. Isto facilita o desenvolvimento das tcnicas que so aprendidas na literatura. Como o evento mais enxuto, h uma possibilidade maior de troca entre os profissionais presentes, colegas e palestrantes. O formato da JARGS de 2016 contribuiu muito para este fim, pois sua programao foi formada por palestras breves e com um tempo de discusso considervel.

Quais so os desafios da Anestesiologia atualmente?
O principal desafio o caos da sade, um problema nacional. Isto faz com que as pessoas trabalhem cada vez mais, privando-as de tratar e atender melhor os pacientes. As vezes quando frequentam uma Jornada, as pessoas tm como expectativa o mais novo artigo publicado no New England Journal of Medicine. Porm, na realidade, pouca coisa nova est surgindo. preciso aplicar os velhos conceitos. O nosso foco o paciente, ento preciso debater de que forma lidar e qual a melhor maneira de conversar com este paciente, para que possamos resolver os seus problemas e no os nossos.

Como est o processo de formao de novos anestesiologistas? So formaes de qualidade?
Creio que decamos neste sentido, o da formao. O jovem de hoje tem acesso a diversas ferramentas e, talvez por isso, ele no memoriza as informaes, pois quando precisar do contedo ele sabe onde encontr-lo. Ento, este panorama poltico e social no tem a preocupao em formar pessoas mdicas, e sim dar informaes para elas.

Qual o cenrio de novas tecnologias para o segmento?
Hoje temos um arsenal muito melhor, tanto farmacolgico como de empresas de equipamentos mdicos. Possumos aparelhos que melhoraram a anestesiologia, que - por exemplo - um paciente ASA I possui um bito em 200 mil. Isto se d pela possibilidade de monitorizao, na qual enxergamos o que estamos aplicando no paciente. Processo que antigamente era realizado s cegas. Porm, uma ressalva: so materiais de alto custo. Ento precisamos ter um equilbrio entre o uso destes equipamentos caros e disponibiliz-los aos pacientes.

Qual a importncia do Check List para cirurgias seguras e o que compe esta lista?
Este processo iniciou em 2009, quando o New England publicou um artigo afirmando que se reduz a morbimortalidade dos pacientes que fazem cirurgia com apenas um check list, que dura, em mdia, 3 minutos. No nosso hospital, conseguimos reduzir a taxa de infeco em cirurgia limpa de cinco casos para um - no perodo de um ano -, com a aplicao do check list. So perguntas simples como o nome do paciente, o nome do mdico que ir realizar o procedimento, o tipo de cirurgia, e, com isto, alm de ter o resultado prtico como a reduo de infeces, conseguimos tambm humanizar cada vez mais o processo.

Clique aqui e veja mais entrevistas

 

 

 

Sociedade de Anestesiologia do Rio Grande do Sul (SARGS)
Av. Ipiranga 5311 sala 106 • Porto Alegre - RS • 90610-001
Telefone: (51) 3339.3581
sargs@sargs.org.br

Desenvolvido por: www.pontoonline.com.br